Relações sociais e amizade na velhice: reflexões.

Publicado em: 06/09/2023 Por Assessoria de Imprensa SUPERA

Amizade na velhice, privilégio ou necessidade? Você já parou para refletir sobre como as relações sociais e a amizade assumem um papel crucial à medida que envelhecemos?

A velhice é uma fase da vida repleta de transformações, não apenas físicas, mas também emocionais e sociais. À medida que avançamos em idade, a importância das amizades e das interações sociais se torna ainda mais evidente. Neste texto, exploraremos a vitalidade das relações sociais na velhice, embasando nossa discussão em pesquisas e reflexões sobre o assunto.

A Importância das Relações Sociais na Velhice

As relações sociais desempenham um papel crucial em todas as fases da vida, mas na velhice, sua relevância ganha ainda mais destaque. Conforme Souza e Hutz (2008), a amizade é um relacionamento importante para o desenvolvimento social, emocional e cognitivo, e indivíduos idosos que mantêm conexões sociais saudáveis têm maior probabilidade de desfrutar de um envelhecimento mais satisfatório.

amizade na velhice

Amizade na velhice

Resende e outros pesquisadores em 2006 salientam que as relações sociais, principalmente através da família como suporte social, são muito importantes na saúde da pessoa adulta e idosa. Ressaltam também que o contato com outras pessoas serve como parâmetro para autoavaliação e autoconhecimento.

De acordo com os resultados obtidos no estudo intitulado “Rede de relações sociais e satisfação com a vida de adultos e idosos”, desenvolvido por Rezende e a sua equipe (2006), existe uma relação entre redes de relações sociais de adultos e satisfação com a vida, e observou-se que pessoas que possuem uma maior rede social relatam ser mais satisfeitas com a vida e obter maior suporte social.

Contudo, é importante destacar que a qualidade das relações sociais prevalece sobre a quantidade. Ter um círculo íntimo de amigos com quem se pode contar e compartilhar experiências se mostra mais benéfico do que uma rede social vasta, mas superficial.

amizade na velhice

Amizades genuínas na velhice oferecem um espaço seguro para expressar sentimentos, preocupações e conquistas, o que, por sua vez, fortalece a autoestima e a sensação de pertencimento.

Desafios e Estratégias

Apesar da importância das relações sociais na velhice, muitos idosos enfrentam desafios em manter e formar novas amizades. A perda de parceiros, amigos e familiares ao longo dos anos pode levar a sentimentos de solidão e isolamento.

No entanto, há estratégias que podem ser adotadas para promover interações sociais saudáveis, como por exemplo:

amizade na velhice
  • Participar de atividades em grupo: Realizar atividades em grupo, como aulas de arte, dança, yoga, jogos de tabuleiro ou clubes de leitura, proporciona oportunidades para conhecer pessoas com interesses similares, facilitando o estabelecimento de vínculos significativos;
  • Se envolver em programas de voluntariado: Fazer parte de programas de voluntariado permite que os idosos se sintam úteis e conectados à comunidade, ao mesmo tempo em que contribuem para causas importantes;
  • Realizar aulas de educação continuada: Participar de aulas ou palestras sobre tópicos interessantes incentiva o aprendizado contínuo e cria espaço para discussões e interações entre os participantes.
  • Participar de grupos de apoio e discussão: Frequentar grupos de apoio para temas específicos, como gerenciamento de saúde, perda de entes queridos ou transições de vida, proporciona um ambiente seguro para as pessoas idosas compartilharem experiências e desafios.
  • Realizar passeios com amigos: Sair com os amigos para locais que gostam e se sintam confortáveis, como cafeterias, cinema, parque, museu, teatro, entre outros, permite que os idosos possam se encontrar informalmente, conversar e se divertirem.

É extremamente pertinente ressaltar que as relações sociais e a amizade na velhice transcendem o mero convívio social, moldando ativamente o bem-estar emocional, mental e físico dos indivíduos (Brito et al., 2019). Investir tempo e esforço em cultivar laços profundos e significativos é um investimento valioso para uma vida na velhice plena e gratificante. Sejamos conscientes da importância de manter essas relações, tanto para nosso próprio benefício quanto para o enriquecimento das vidas daqueles que nos rodeiam.

Assinam este artigo:

Diana dos Santos Bacelar

Estudante de Graduação do curso de bacharelado em Gerontologia pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Atualmente faz estágio na área de pesquisa em treino cognitivo de longa duração pelo Instituto SUPERA – Ginástica para o Cérebro.

Tem interesse na área de treino e estimulação cognitiva para idosos, com enfoque em neurologia cognitiva. Já foi bolsista PUB da Universidade Aberta à Terceira Idade da EACH-USP, atual USP60 + nas oficinas de letramento digital.

Profa. Dra. Thais Bento Lima-Silva

Gerontóloga formada pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do curso de Graduação em Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), Coordenadora do curso de pós-graduação em Gerontologia da Faculdade Paulista de Serviço Social (FAPSS), pesquisadora do Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e diretora científica da Associação Brasileira de Gerontologia (ABG). Membro da diretoria da Associação Brasileira de Alzheimer- Regional São Paulo. É assessora científica e consultora do Método Supera.

Compartilhar este artigo
  • LinkedIn
  • Share

Gostou desse conteúdo? Deixe um comentário ;)

  • Visualizar os 2 comentários

2 comentários para "Relações sociais e amizade na velhice: reflexões."

Faça um comentário

  • Luiza Peixe disse:

    Gostei e me despertou interesse na área. Obrigada por compartilhar seu conhecimento.

  • Suely de Melo Bezerra disse:

    Muito importante este assunto de asocializacao para o idoso através de vários encontros e tipos de lazer para melhor integração do idoso. Sou Suely tenho 65 anos

SUPERA PRESENCIAL

O Supera Ginástica para o Cérebro é voltado para todas as pessoas a partir de 5 anos, sem limite de idade. O curso potencializa a capacidade cognitiva aumentando a criatividade, concentração, foco, raciocínio lógico, segurança, autoestima, perseverança, disciplina e coordenação motora. As aulas, ministradas uma vez por semana com duração de duas horas, são dinâmicas e contagiantes, com atividades que agradam todo tipo de público.

SUPERA para escolas Método de estimulação cognitiva

Exclusivo para Instituições de Ensino. O SUPERA é a mais avançada ferramenta pedagógica de estimulação cognitiva e, portanto, representa um grande diferencial para sua instituição de ensino. Além de ser um excelente recurso de marketing, o método melhora o desempenho dos alunos e eleva os índices de aprovação da sua escola.

Franquia SUPERAEmpreenda em Educação

Criado em 2006, o SUPERA é hoje a maior rede de escola de ginástica para o cérebro do Brasil. Em um ano de operação, entrou para o sistema de franquias e hoje já possui 400 unidades no país. O curso, baseado em uma metodologia exclusiva e inovadora, alia neurociência e educação. Se você tem interesse em empreender nesta área, deixe seu cadastro em nosso site.