Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19?

Publicado em: 13/04/2021 Por Assessoria de Imprensa SUPERA

Em diferentes faixas etárias a reserva cognitiva é decisiva na resposta do cérebro à doença.

Há pouco mais de ano, quando a pandemia foi decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o alerta de risco à vida foi dado sobretudo à população acima de 60 anos.

No segundo ano de pandemia, os cientistas já sabem que a idade dos pacientes não tem sido determinante em casos graves da doença e a reserva cognitiva – capacidade do cérebro de criar conexões ao longo da vida para responder a diversas situações, está diretamente ligada a esta resposta.

Idosos x jovens

De acordo com o neurointensivista Marco Paulo Nanci – que atua na linha de frente do COVID – 19 em Taubaté (SP) e São Paulo (SP), as pessoas com idade avançada, de forma geral, têm o cérebro mais vulnerável ao vírus.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

Isso acontece porque as pessoas com mais idade têm uma tendência natural a possuir uma menor reserva cognitiva, ou reserva funcional.

“Tendemos a pensar que as pessoas de maior idade, justamente por terem um cérebro mais acometido pelo avanço da idade, têm maior propensão a desenvolver sintomas com a COVID. É aquela questão da reserva funcional. O paciente de mais idade tem uma tendência a ter uma reserva funcional neurológica menor, com isso a agressão pela COVID tende a ser maior”, disse o médico.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

No entanto, passado mais de um ano de observação médica, o neurologista chama a atenção para uma mudança de padrão da pandemia, também trazendo prejuízo cognitivo para pacientes jovens.

Estamos percebendo uma mudança no padrão da pandemia: ela tem acometido em maior número pacientes jovens e também notamos que, mesmo nesse grupo, os sintomas neurológicos podem acontecer.

Assim, destacamos o papel relevante da reserva funcional e a importância do cérebro estar preparado para uma agressão que pode vir a acontecer”, alertou o médico.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

Assim como a situação física do paciente no momento do contágio pelo vírus (comorbidades, sobrepeso, sedentarismo, tabagismo, entre outros) tem sido determinante na evolução ou não da doença no corpo, no caso do cérebro, a lógica é a mesma: as conexões e estímulos feitos no cérebro antes do contato com o vírus tem feito grande diferença na resposta desses pacientes, segundo o especialista.

“Apesar do paciente de mais idade, ter maior chance de desenvolver sintomas, o paciente jovem também pode apresentar sintomas, e quanto mais preparado esse cérebro estiver, quanto mais ativo esse cérebro for, mais fácil vai ser passar por essa fase de infecção”, alertou.

Aquisição de reserva cognitiva: você pode começar agora

A pandemia explicitou, entre outras coisas, que, pessoas mais saudáveis, física e mentalmente, têm maior chance de responder a ataques sistêmicos no corpo humano.

Estimular o cérebro constantemente é criar conexões que ajudem o nosso órgão mais importante a responder a todas essas situações quando elas se apresentam.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

A reserva funcional, ou reserva cognitiva é criada através de estímulos cerebrais  feitos ao longo da vida.

Ela pode ser adquirida com o engajamento em atividades cognitivas estimulantes ou ginástica para o cérebro, ocupação profissional mais intelectualizada, vida social ativa, atividades de lazer de cunho intelectual, entre outros.

Esses estímulos criam conexões em nosso cérebro que, por sua vez, estará mais preparado para tolerar ou lidar melhor com alterações cerebrais.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

O conceito científico de reserva cognitiva é aplicável tanto a pessoas saudáveis, quanto às que têm um determinado dano cognitivo, segundo o neurologista.

“Aquela pessoa que tem um processamento cerebral mais lentificado e têm menor reserva cognitiva, tem uma tendência maior a desenvolver sintomas cerebrais com a infecção pelo COVID-19. A pessoa que não tem a reserva, ou já está tudo consumido, em caso de infecção, o vírus vem e acaba lesando o pouquinho que a pessoa tem, então a tendência é que se tenha uma piora evolutiva. Já quem se preparou ao longo dos anos e tem um cérebro ativo, por mais que haja uma lesão pelo vírus, ele está apto, está mais preparado para responder a essas lesões. Isso não acontece só no COVID. Podemos pensar em outras doenças, como Alzheimer”, disse o médico.

Como a ginástica para o cérebro estimula o seu cérebro?

O conceito de neuroaprendizagem, aplicado há 15 anos pelo SUPERA – Ginástica para o cérebro, utiliza como fundamento o conceito de neuroplasticidade, já comprovado pela ciência, que consiste na ideia do cérebro se modificar de acordo com estímulos.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

Por meio  de atividades que envolvem novidade, variedade e grau de desafio crescente, o cérebro se desenvolve de maneira equilibrada e harmoniosa, em diferentes faixas etárias, contribuindo com a formação de reserva cognitiva e desenvolvendo habilidades como memória, concentração, raciocínio e criatividade.

Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19? - SUPERA - Ginástica para o Cérebro

“A base da ginástica cerebral está na novidade, na variedade e nos desafios crescentes. Incentivamos os alunos a vencerem desafios, encontrarem soluções criativas para seus problemas e a pensar de forma diferente. O cérebro, apesar de ser um órgão requisitado o tempo todo, ele tem tendência a ser preguiçoso, a funcionar no piloto automático. Por isso, é importante fazer exercícios que exigem pensamento, raciocínio”, concluiu Patrícia Lessa, Diretora Pedagógica Nacional do SUPERA.

Compartilhar este artigo
  • LinkedIn
  • Share

Gostou desse conteúdo? Deixe um comentário ;)

  • Visualizar o comentário

1 comentário para "Qual faixa etária tem mais prejuízo cerebral com a COVID-19?"

Faça um comentário

  • Sou aluna Supera e digo e digo que realmente através dos exercícios neoronais estamos fortalecendo e tirando da zona de conforto nossos cérebros para enfrentarmos este vírus e outras morbilidades, pois às doenças estamos sujeitos independentes da idade. Seja Supera você também. Paz e bem

SUPERA PRESENCIAL

O Supera Ginástica para o Cérebro é voltado para todas as pessoas a partir de 5 anos, sem limite de idade. O curso potencializa a capacidade cognitiva aumentando a criatividade, concentração, foco, raciocínio lógico, segurança, autoestima, perseverança, disciplina e coordenação motora. As aulas, ministradas uma vez por semana com duração de duas horas, são dinâmicas e contagiantes, com atividades que agradam todo tipo de público.

SUPERA para escolas Método de estimulação cognitiva

Exclusivo para Instituições de Ensino. O SUPERA é a mais avançada ferramenta pedagógica de estimulação cognitiva e, portanto, representa um grande diferencial para sua instituição de ensino. Além de ser um excelente recurso de marketing, o método melhora o desempenho dos alunos e eleva os índices de aprovação da sua escola.

Franquia SUPERAEmpreenda em Educação

Criado em 2006, o SUPERA é hoje a maior rede de escola de ginástica para o cérebro do Brasil. Em um ano de operação, entrou para o sistema de franquias e hoje já possui 400 unidades no país. O curso, baseado em uma metodologia exclusiva e inovadora, alia neurociência e educação. Se você tem interesse em empreender nesta área, deixe seu cadastro em nosso site.