Alfabetização de idosos: ganhos cognitivos e desafios de políticas públicas

Publicado em: 08/02/2024 Por Assessoria de Imprensa SUPERA

A alfabetização de idosos representa uma experiência que vai além do simples aprendizado de leitura e escrita. Este processo revela-se como uma oportunidade singular para novos estímulos cognitivos em pessoas idosas, promovendo o acesso ao conhecimento formal e impulsionando benefícios neurocognitivos.

A literatura científica, ancorada em estudos como de Clouston e colaboradores (2020, p. e156) ressalta que a alfabetização está intrinsecamente ligada à um melhor funcionamento cognitivo, estimulando a plasticidade neural e tendo a possibilidade de atuar como um fator preventivo de demências.

Alfabetização de idosos

Ao aprofundarmos a compreensão sobre os ganhos cognitivos associados a esse tema, é elencado que a leitura e escrita não estão relacionadas só a habilidade em si, mas também a outras funções cognitivas. Assim, Bramão e colaboradores (2007, p. 363) destacaram que “o ato de ler e escrever em uma língua alfabética envolve processos cognitivos relacionados à exploração sistemática do espaço e à integração motora.”

Alfabetização de idosos

Contudo, a implementação efetiva de políticas públicas para a alfabetização na velhice enfrenta desafios complexos. A realidade sociopolítica adversa na qual muitos foram submetidos, principalmente aqueles envolvidos em atividades laborais desgastantes na agricultura, produção artesanal e atividades domésticas, contribuiu para a ausência de oportunidades educacionais formais ao longo da vida, resultando em uma considerável parcela da população idosa com níveis variados de analfabetismo.

As políticas públicas direcionadas à essa temática tornam-se, portanto, uma necessidade premente. Barros et al., (2021) enfatizam a importância de programas educacionais adaptados às necessidades específicas dessa população, considerando as barreiras cognitivas e socioeconômicas. Dessa forma, pensa-se na alfabetização não apenas como uma ferramenta de aprendizado, mas também como uma estratégia essencial para a promoção da inclusão social e da equidade entre a população idosa.

Alfabetização de idosos

Neste cenário, a Organização Mundial de Saúde (OMS) destaca a relevância do envelhecimento ativo como um processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança na velhice. A alfabetização emerge como um pilar fundamental desse conceito, permitindo que os idosos desfrutem plenamente de seu potencial físico, social e mental ao longo de suas vidas. As diretrizes da Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa corroboram essa abordagem, enfatizando a promoção do envelhecimento ativo e saudável, bem como a formação contínua de profissionais de saúde na área (FIOCRUZ, 2016).

A complexidade desse tema é evidenciada quando consideramos a dificuldade enfrentada por esse público, devido ao analfabetismo, na interpretação de informações relacionadas a receitas médicas, embalagens de medicamentos e orientações para exames. A falta de habilidades literárias compromete a adesão ao tratamento e aumenta os riscos associados à má compreensão de informações para a saúde.

Adicionalmente a esse fato, a alfabetização na velhice desempenha um papel importante também na integração digital. A acessibilidade a tecnologias, como as oferecidas em Infocentros, torna-se uma realidade distante para uma parcela considerável de idosos analfabetos. A habilidade de participar plenamente da era digital, compreendendo as complexidades da internet e das redes sociais, é prejudicada pela falta de habilidades literárias. Assim, a promoção da alfabetização na velhice não é apenas uma questão de inclusão educacional, mas também uma estratégia para reduzir a lacuna digital entre as gerações.

Quando pensamos na alfabetização de idosos, a urgência na implementação de políticas públicas inclusivas e adaptadas às necessidades específicas da população idosa é necessária. A alfabetização na velhice é um meio de adquirir conhecimento e solucionar implicações para a saúde física e mental, bem como para a participação ativa na sociedade. Essas políticas representam um compromisso com a equidade educacional e também se alinham aos princípios fundamentais do envelhecimento ativo, promovendo uma sociedade mais justa e inclusiva para todas as idades.

Assinam este artigo

Maria Antônia Antunes de Souza

Bacharel em Gerontologia pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP). Foi bolsista de iniciação científica PUB do projeto: “Intervenções psicoeducativas para a COVID-19 aliada à estimulação cognitiva no programa USP 60 +”. Atualmente é colaboradora do Grupo de Estudos em Treino Cognitivo da USP (GETCUSP), atuando na área de pesquisa em treino cognitivo de longa duração.

Profa. Dra. Thais Bento Lima-Silva

Gerontóloga formada pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do curso de Bacharelado e do Programa de Mestrado em Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), pesquisadora do Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e diretora científica da Associação Brasileira de Gerontologia (ABG). Membro da diretoria da Associação Brasileira de Alzheimer- Regional São Paulo, coordenadora do Grupo de Estudos em Treino Cognitivo da Universidade de São Paulo, parceria científica do Instituto Supera de Educação.

Compartilhar este artigo
  • LinkedIn
  • Share

Gostou desse conteúdo? Deixe um comentário ;)

  • Visualizar os 2 comentários

2 comentários para "Alfabetização de idosos: ganhos cognitivos e desafios de políticas públicas"

Faça um comentário

SUPERA PRESENCIAL

O Supera Ginástica para o Cérebro é voltado para todas as pessoas a partir de 5 anos, sem limite de idade. O curso potencializa a capacidade cognitiva aumentando a criatividade, concentração, foco, raciocínio lógico, segurança, autoestima, perseverança, disciplina e coordenação motora. As aulas, ministradas uma vez por semana com duração de duas horas, são dinâmicas e contagiantes, com atividades que agradam todo tipo de público.

SUPERA para escolas Método de estimulação cognitiva

Exclusivo para Instituições de Ensino. O SUPERA é a mais avançada ferramenta pedagógica de estimulação cognitiva e, portanto, representa um grande diferencial para sua instituição de ensino. Além de ser um excelente recurso de marketing, o método melhora o desempenho dos alunos e eleva os índices de aprovação da sua escola.

Franquia SUPERAEmpreenda em Educação

Criado em 2006, o SUPERA é hoje a maior rede de escola de ginástica para o cérebro do Brasil. Em um ano de operação, entrou para o sistema de franquias e hoje já possui 400 unidades no país. O curso, baseado em uma metodologia exclusiva e inovadora, alia neurociência e educação. Se você tem interesse em empreender nesta área, deixe seu cadastro em nosso site.