O que mais podemos dizer sobre TDAH?

Publicado em: 17/03/2015 Por Assessoria de Imprensa SUPERA

serie especial artigos SUPERA Semana Mundial do CerebroFazem parte dos assuntos mais discutidos pela sociedade contemporânea a hiperatividade, a impulsividade e o déficit de atenção. Estas são as manifestações mais comumente encontradas num quadro clínico chamado Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Se procurarmos ler sobre o assunto na mídia, na internet e nas publicações especializadas de medicina, psicologia ou pedagogia, ficará claro que estamos diante de uma enorme controvérsia.

Já pudemos acompanhar durante um bom tempo a divulgação de um texto em que o “descobridor” do TDAH dizia que tinha inventado este transtorno. Também podemos ler em muitos sites e blogs a opinião de profissionais da educação questionando os critérios de diagnóstico empregados, justificando que números próximos a 20% são inaceitáveis e que muitas destas crianças que apresentam os sintomas característicos do TDAH na verdade precisariam ser estimuladas para desenvolver a capacidade de prestar atenção e “parar quieto” para aprender.

De outro lado, alguns educadores que enfrentam sérias dificuldades com crianças em sala de aula confirmam que estes casos devem estar

associados a um distúrbio neurológico, pois não sabem o que fazer em sala de aula para conter a agitação e falta de foco destas crianças. Acreditam que falhas no aprendizado precisam ser evitadas de algum modo.

A classe médica parece estar convencida de que de 4 a 7% das crianças em idade escolar apresentam o quadro clínico de TDAH e podem se

2015Supera e você na Disney
Dra. neurocientista e consultora do SUPERA, Carla Tieppo

Neurocientista e consultora do SUPERA, Dra. Carla Tieppo

beneficiar da terapia medicamentosa e comportamental.

O que podemos dizer sobre este assunto para ajudar pais e professores a lidar com suas dúvidas e desconfianças? Será que há algo que se possa fazer para ajudar estas crianças, suas famílias e as escolas?

Uma importante reflexão que podemos fazer é pensar no que pode estar provocando tanta controvérsia? Será que a classe médica está defendendo os interesses da indústria farmacêutica como muitos dizem? Ou será que alguns professores negam a existência do transtorno por simples desconhecimento de causa?

O fato é que os sintomas ocorrem mesmo. E que há uma boa quantidade de crianças que se comportam em ambientes sociais e na escola de forma bastante irrequieta e desatenta. Muitas crianças apresentam dificuldades na aprendizagem, aparentemente relacionadas à incapacidade de manter-se focada num mesmo assunto por mais tempo.

Nos casos em que a hiperatividade não é tão marcante quanto a desatenção, esta incapacidade de prestar atenção e regular seus impulsos pode mesmo passar desapercebida até o início da adolescência, fase em que as exigências escolares crescem muito e novos casos podem saltar aos olhos de pais e professores.

Nestes casos é muito importante consultar um médico. Mas dê preferência a especialistas e não se acanhe em pedir a opinião de diferentes profissionais. Se for solicitada uma avaliação neuropsicológica, melhor ainda. Aproveite para conversar com a profissional que vai aplicar os testes para que você se sinta suficientemente esclarecido.

Se no fim deste processo você receber um diagnóstico positivo e tiver que decidir sobre o uso da medicação, peça esclarecimentos ao profissional sobre os efeitos colaterais que você deve observar.

O metilfenidato (a ritalina) é o remédio para o cérebro mais usado após o diagnóstico de TDAH. Em geral, as crianças respondem muito bem à medicação, pois estimula circuitos dentro do cérebro da criança que são responsáveis por aumentar o foco e diminuir a agitação motora. Mas podem aparecer efeitos colaterais, como falta de apetite e um cansaço extremo ao final do dia.

Agora se você tiver dúvidas sobre o diagnóstico ou sobre o uso da medicação não tome decisões precipitadas. Procure motivar o foco e o controle comportamental com outras estratégias.

Há diferentes formas para desenvolver a atenção sustentada em crianças desde a primeira infância. Na atual sociedade, onde todos nós estamos com dificuldade de foco devido à imensa quantidade de estímulos, fazer exercícios para o cérebro, para desenvolver a atenção, pode ser muito positivo para todos.

Os exercícios para o cérebro devem ser apresentados com dificuldade crescente para que o indivíduo vá percebendo que está lentamente melhorando. Há diferentes estratégias de ginástica cerebral que podem ser implementadas. Muitas vezes a melhora nos resultados obtidos pode ser pequena, mas a criança vai perceber que se estiver mais atenta e focada pode atingir objetivos que antes pareciam impossíveis, como uma estrelinha na lição de casa ou um elogio da professora.

Estes resultados servem de recompensa para estimular novas vitórias. Lentamente, o sistema atencional da criança vai sendo estimulado e desenvolvido e isso pode ser o suficiente para permitir que o rendimento escolar e a vida social se desenvolvam dentro do esperado.

Evite rótulos para quem tem TDAH

O mais importante é evitar a estigmatização da pessoa. Evite falar para ela que ela “não presta pra nada” ou “tem problema na cabeça”. Evite os comentários entre os colegas de classe e os outros pais. Isto pode significar que mesmo que houvesse uma saída não-medicamentosa, ela estaria mais distante agora.

As funções cerebrais necessárias para que um indivíduo desenvolva capacidades importantes para estabilizar o comportamento podem e devem ser estimuladas desde muito cedo.

Então, para concluir, gostaria de sugerir que desde os primeiros anos de vida, sejam introduzidos momentos cotidianos para averiguar como está o desenvolvimento das crianças. Experimente contar uma história com personagens bem marcantes, com as quais a criança se identifique. Aos poucos, ela vai aprendendo que esperar pelo final pode ser muito recompensador.

 

Compartilhar este artigo

Gostou desse conteúdo? Deixe um comentário ;)

  • Visualizar os 4 comentários

4 comentários para "O que mais podemos dizer sobre TDAH?"

Faça um comentário

SUPERA PRESENCIAL

O Supera Ginástica para o Cérebro é voltado para todas as pessoas a partir de 5 anos, sem limite de idade. O curso potencializa a capacidade cognitiva aumentando a criatividade, concentração, foco, raciocínio lógico, segurança, autoestima, perseverança, disciplina e coordenação motora. As aulas, ministradas uma vez por semana com duração de duas horas, são dinâmicas e contagiantes, com atividades que agradam todo tipo de público.

SUPERA para escolas Método de estimulação cognitiva

Exclusivo para Instituições de Ensino. O SUPERA é a mais avançada ferramenta pedagógica de estimulação cognitiva e, portanto, representa um grande diferencial para sua instituição de ensino. Além de ser um excelente recurso de marketing, o método melhora o desempenho dos alunos e eleva os índices de aprovação da sua escola.

Franquia SUPERAEmpreenda em Educação

Criado em 2006, o SUPERA é hoje a maior rede de escola de ginástica para o cérebro do Brasil. Em um ano de operação, entrou para o sistema de franquias e hoje já possui 400 unidades no país. O curso, baseado em uma metodologia exclusiva e inovadora, alia neurociência e educação. Se você tem interesse em empreender nesta área, deixe seu cadastro em nosso site.