“Educação para o Século 21” aponta caminhos para políticas públicas de ensino

Publicado em: 01/11/2011 por: Supera

Diante de cerca de 330 participantes de 13 estados, entre educadores, acadêmicos, prefeitos e secretários de Educação, os palestrantes concordaram que o ensino deve ser baseado no equilíbrio entre competências cognitivas e não cognitivas. Para eles, o desenvolvimento das habilidades não cognitivas – ligadas a características como autonomia, raciocínio crítico, liderança, facilidade de relacionamento, tolerância, entre outras – deve integrar o currículo do ensino fundamental para todos os alunos. Dessa forma, essas crianças e adolescentes terão melhores condições de desenvolver as competências cognitivas e estarão mais bem preparadas para enfrentar os desafios do século 21, no mundo do trabalho, da economia globalizada, das questões políticas, sociais e ambientais.

Segundo James Heckman, prêmio Nobel de Economia e professor do Instituto Henry Schultz da Universidade de Chicago (EUA), as competências não cognitivas geram resultados positivos tanto na área social quanto econÿmica, pois impactam na formação de personalidade das crianças. “Não podemos ignorá-las ou teremos graves problemas sociais”, alertou o especialista. Para Heckman, o investimento em tal cuidado tem consequência até na redução dos índices de criminalidade. Tudo isso também depende muito do envolvimento da escolas, e não apenas das famílias.

Miguel Nicolelis, professor de Neurociência da Universidade Duke (EUA), acrescenta que as competências não cognitivas, com destaque para a curiosidade investigativa, também são fundamentais ao desenvolvimento científico e tecno lógico de um país. Nicolelis defende a ciência como agente de transformação social e, por consequência, o investimento de qualquer nação neste setor.

Supera e você na Disney

Para discutir a educação neste século, é essencial falar sobre inovação. E essa conversa não se restringe a novidades tecnológicas, equipamentos multifuncionais e o universo da internet. Essas ferramentas só podem ter o máximo aproveitamento quando as pessoas que as utilizam manterem uma postura inovadora. Como mostrou o professor titular de Engenharia de Software da Universidade Federal de Pernambuco, Silvio Meira, a vontade de fazer diferente e a iniciativa propriamente dita podem transformar o ambiente.

Essa renovação também está associada à retomada de valores determinantes para que haja harmonia em qualquer sociedade. Eduardo Gianetti da Fonseca, professor do Insper, chamou a atenção para o atraso brasileiro na solução de problemas fundamentais, como o da qualidade d a nossa educação. “Em pleno século 21, ainda não resolvemos problemas do século 19.” O presidente executivo do Grupo Abril, Fábio Barbosa, compartilha da opinião de Gianetti e acrescentou que evidenciar determinados valo res depende apenas da disposição das pessoas. E a educação é um dos principais fatores desta mudança.

A presença dos principais veículos de comunicação na cobertura do Seminário reforça a importância do tema e a relevância do evento.

A matéria do Globo News, no ´Jornal das 10´ do dia 25, parte de uma experiência que aplica essa educação em uma sala de aula e entrevista especialistas presentes no Seminário. Vale a pena conferir a reportagem completa em http://g1.globo.com/videos/globo-news/jornal-das-dez/v/educacao-precisa-estar-aliada-ao-cotidiano-dos-jovens/1674784/#/todos os vídeos/20111025/page/1

Para o mesmo telejornal, o Prêmio Nobel de Economia de 2000, James Heckman, fala das consequências positivas de uma educação plena. A entrevista pode ser conferida no http://g1.globo.com/videos/globo-news/jornal-das-dez/v/premio-nobel-de-economia-tem-proposta-ousada-para-a-educacao/1674766/#/todos os vídeos

No dia 26, o Bom Dia SP, da TV Globo, resume bem as conclusões do evento: os jovens precisam aprender mais do que português e matemática. Assista a matéria em http://g1.globo.com/videos/sao-paulo/v/seminario-conclui-que-jovens-precisam-aprender-mais-do-que-portugues-e-matematica/1674966/#/Bom Dia SP/Edições/20111026/page/1

“Certamente, estamos saindo daqui diferentes de como chegamos e cientes de que temos de fazer nossa lição de casa.” Assim Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Sen na, encerrou o Seminário Educação para o Século 21, evento realizado pela ONG na terça-feira, dia 25, no Hotel Hyatt, em São Paulo (SP). O seminário teve cooperação da Unesco e da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Texto extraído do Portal de Notícias do Instituto Aytor Senna, no dia 1/11/2011.

Disponível em: < http://senna.globo.com/institutoayrtonsenna/home/noticias_interna.asp?cod_Noticia=240>

Supera

Supera - Ginástica Cerebral, Pratique! Curso para todas as idades

Mantenha-se atualizado.
Assine nossa Newsletter

Posts Relacionados