Como esportes melhoram o desempenho do cérebro

Publicado em: 15/02/2018 por: Assessoria de Imprensa SUPERA

A judoca Jéssica Santos, uma das atletas patrocinadas SUPERA, exercita o corpo, mas não deixa de exercitar também o cérebro

A judoca Jéssica Santos, uma das atletas patrocinadas SUPERA, exercita o corpo, mas não deixa de exercitar também o cérebro

Nós já sabemos que a ginástica cerebral ajudar a desenvolver habilidades e melhorar o desempenho nos esportes, certo? Agora vamos falar do oposto: você sabia que praticar atividades físicas também contribui para a boa saúde do cérebro em diversos aspectos? Vamos explicar.

Primeiro, é importante frisar que a prática de atividades físicas é o primeiro dos cinco pilares para a boa saúde. Segundo Solange Jacob, Diretora Pedagógica Nacional do Método SUPERA, são eles: atividades físicas, atividades intelectuais, sono, boa alimentação e interação social.

Quando nós praticamos atividades físicas, nosso cérebro fica mais desperto e aumenta sua atividade elétrica, que indica que todas as células nervosas estão em atividade. A partir disso, potencializamos nosso aprendizado.

“Por isso, quando estamos estudando, é muito bom darmos uma pausa para nadar, caminhar, praticar esportes ou qualquer outro exercício físico. Quando voltamos aos estudos, nosso cérebro está mais ativo para aprender. Assim, podemos afirmar que correr antes de praticar o ábaco pode potencializar seus resultados, por exemplo”, conta Solange.

Supera e você na Disney

Além disso, exercitar o corpo provoca a liberação de todos os nossos principais neurotransmissores e ainda aumenta o fluxo sanguíneo. Assim, o cérebro cria novas vias para a sua irrigação, fornecendo mais oxigênio e glicose, necessários para seu bom funcionamento.

A seguir, compilamos os resultados de algumas pesquisas e estudos já realizados em todo o mundo sobre os benefícios da prática esportiva para o cérebro:

  1. Exercício aeróbico regular para melhorar a atenção

Em um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Granada, na Espanha, foram comparados dois grupos de jovens adultos: um com alto nível de condicionamento físico e outro sedentário. Eles foram convidados a executar uma tarefa cognitiva por 60 minutos.

Os resultados da pesquisa indicam que os primeiros têm uma atenção sustentada melhor (eles reagem mais rapidamente a um estímulo externo introduzido aleatoriamente durante a realização de uma tarefa monótona)

  1. Recuperar a função cognitiva depois de um AVC

De acordo com uma revisão publicada na Revista de Neurologia, a atividade física é uma terapia promissora para a recuperação de pessoas que sofreram um acidente vascular cerebral.

  1. Exercícios físicos podem combater dores de cabeça tensionais e enxaquecas

Um estudo publicado na Revista de Neurologia por Gil-Martinez concluiu que os exercícios podem reduzir a intensidade e a frequência da dor e, ao contrário dos medicamentos, a prática não possui efeitos colaterais, se mostrando eficiente e mais vantajosa.

  1. Ajuda com a ansiedade e depressão

Estudos em vários países mostraram que as pessoas com atividade física regular têm menos chances de sofrer de ansiedade ou depressão. As pessoas que praticam esportes, ioga, exercitam-se ou até mesmo as que dançam regularmente estão menos sujeitas a incidentes de ansiedade ou depressão.

 

SUPERA Sports

O SUPERA Sports um projeto de responsabilidade social que incentiva a prática esportiva como forma de promover a saúde do cérebro e o bem-estar.

“Apostamos nesta ideia sobretudo porque o SUPERA tem uma relação muito forte com os esportes. A diferença de um atleta campeão para os demais atletas está na mente. O Método SUPERA treina seus alunos para terem mais foco, concentração e agilidade de raciocínio, habilidades essenciais para a boa performance dos atletas”, explica o executivo, que já foi campeão nacional de acrobacias aéreas.

Hoje, são quatro atletas profissionais patrocinados pela rede de escolas de ginástica para o cérebro: os irmãos Moara e Ramón Sacilotti, pilotos de Moto Rally, a skatista Pâmela Rosa e a judoca Jéssica Santos. Atletas do Vale do Paraíba, eles adotaram uma nova estratégia para conseguir o diferencial na buscar por títulos em mundiais e Jogos Olímpicos: treinar o cérebro.

“Além do treino físico, nós agora vamos treinar o cérebro. Concentração e agilidade para tomar decisões podem fazer a diferença no resultado. Em pouco tempo de Supera, já consigo perceber que aumentei minha capacidade de concentração”, afirma Ramón Sacilotti, que está cursando ginástica cerebral na unidade SUPERA Esplanada, em São José dos Campos.

Assessoria de Imprensa SUPERA

Supera - Ginástica Cerebral, Pratique! Curso para todas as idades

Mantenha-se atualizado.
Assine nossa Newsletter

Posts Relacionados